Assembleia enrola, enrola e marajás continuam levando a vida numa boa

Em reunião com os deputados, logo que explodiu o escândalo da criação em segredo de cargos com supersalários, o presidente da Assembleia Legislativa, Helder Valin, ensinou: “No Brasil, Legislativo existe é pra apanhar mesmo. Mas logo a imprensa vai se esquecer de nós”.

Nesta terça-feira, o jornal O Popular registra em matéria da repórter Thaís Romão que “depois do escândalo dos supersalários e da falta de transparência, a Casa entra em ritmo considerado normal”.

“Normal”então deve ter o significado de: “as mesmas irregularidades de sempre”.

A própria matéria de O Popular registra que o projeto anunciado pelo presidente Helder Valin para diminuir os supersalários não teve nenhuma tramitação e sequer recebeu um número no protocolo parlamentar da Assembleia.

Os marajás legislativos, portanto, seguem recebendo.

Os privilegiados com os supersalários, em quatro meses, estarão embolsando em torno de R$ 130 mil – mais que deputado, governador e presidente da República.

Mais grave: o presidente Helder Valin disse que o projeto que reduziria os supersalários cortaria a possibilidade da remuneração ser engordada com penduricalhos e, assim, superar os R$ 19.500,0 previstos.

Mas vejam o que diz a matéria de O Popular:

“Autor do projeto, o presidente da Assembleia, Helder Valin (PSDB), garantiu, na apresentação do projeto, que com o novo texto não será possível acumular benefícios, fixando o salário em R$ 19,5 mil. Mas a matéria não faz referência à impossibilidade de acumulação”.

E assim a Assembleia está “entrando em ritmo considerado normal”.

 

LEIA MAIS:

Casa mal-assombrada: MP quer ampliar investigação sobre fantasmas na Assembleia

“Prestação de contas” da verba indenizatória de março está na internet. Uma piada

Na marra: Assembleia tira da gaveta e vai votar projeto que impõe mais transparência

Folha de pagamento da Assembleia é escândalo de repercussão nacional

Em crise, Assembleia deixa de realizar pequeno expediente. Deputados fogem da tribuna

Estão com medo de alguma coisa: Assembleia exige senha nova para liberar contracheques