Paulo Garcia cumpre promessa de campanha e entrega mina de ouro aos seus financiadores

A seis dias da eleição que reconduziu o prefeito Paulo Garcia (PT) ao cargo, a jornalista Fabiana Pulcineli escreveu um texto profético. Ela disse: “nunca os setores imobiliário e de construção civil estiveram tão articulados para investir em campanha por aqui. Tudo a ver com um assunto pouco falado durante os três meses de campanha eleitoral: a revisão do Plano Diretor da cidade”.

Dito e feito. Fabiana prenunciou o futuro nebuloso da cidade. Quatro meses depois de reempossado, Paulo Garcia enviou à Câmara dos Vereadores um dos projetos mais esdrúxulos que já tramitaram no Legislativo. Um projeto que afrouxou o Plano Diretor de maneira escandalosa e entregou Goiânia nas mãos do mercado imobiliário. Feitas as mudanças, prédios e mais prédios poderão ser construídos a torto e à direito, sem qualquer preocupação com restrições ambientais ou impacto de vizinhança.

“Um dos filões seria o adensamento da região Norte, que tem áreas apetitosas para o setor”, continuou a surpreendente Fabiana. “‘Vão forçar a barra na expansão sem critérios, nas facilidades de licença ambiental, na influência da Câmara no processo de revisão’, prevê um vereador que disputa a reeleição. É uma mina de ouro, define o outro”.

A mina de ouro foi finalmente entregue às imobiliárias. Paulo Garcia cumpriu seu compromisso.

 

Acesse aqui a íntegra do artigo de Fabiana Pulcineli. 

 

LEIA MAIS:

Telho: estudos sobre Plano Diretor já deveriam ter sido apresentados faz tempo

#vetaprefeito: Marina adere à campanha contra esculhambação do Plano Diretor

Sustentabilidade sofre duro golpe em Goiânia, afirma Tribuna do Planalto

Tá explicado: triangulação para doação de campanha justifica mudança no Plano Diretor

Só sete vereadores votaram contra afrouxamento do Plano Diretor. Nenhum do PMDB

Ministério Público espera que Paulo Garcia vete o Plano Diretor. Caso contrário, vai ter intervenção