Pibinho e desemprego abrem perspectiva de derrota para o PT nas eleições de 2014

O fracasso do Governo Dilma Roussef na condução da economia, simbolizado pelo PIB de 0,9% em 2012, somado à elevação da taxa de desemprego, que subiu para 6,4% em janeiro, estão preocupando o Partido dos Trabalhadores.

O bom desempenho eleitoral do PT sempre foi relacionado com as conquistas que os Governos do partido obteve na condução da economia – mas agora esse filão parece esgotado.

Se a economia em pleno crescimento serviu para eleger Dilma em 2010, essa mesma economia, agora em franca decadência, pode contribuir para derrotar o candidato petista nas eleições presidenciais do ano que vem.

Dilma vem se revelando um desastre na administração dos temas econômicos. A excessiva interferência do Governo, a quebra de contratos, o desmonte da Petrobrás e a volta da inflação – tudo isso combinado – serviram para derrubar os investimentos no Brasil, tanto internos quanto externos, e caminham para anular tudo o de positivo que foi feito pelos Governos do PT, leia-se Governos Lula.

A velha desculpa de que há uma crise internacional que afeta o crescimento econômico do Brasil não cola mais. Afinal, por que afetaria só o Brasil em uma América Latina repleta de países, como o México, o Chile, a Colômbia e outros, que vem alcançado taxas expressivas de expansão do PIB?

Pior: somando-se a crise econômica à crise ética do PT, representada pelo mensalão, o resultado previsto é um só: derrota nas urnas em 2014.