Burocracia existe para garantir aplicação da lei. Paulo Garcia, pasmem, usa para o contrário

Os livros do filósofo Max Weber fez um famoso estudo sobre a criação da burocracia como instrumento para manter o Estado sob controle. Weber concluiu que, sem a burocracia, seria impossível garantir a manutenção da segurança, a aplicação a lei e o recolhimento de impostos.

Engraçado é que o prefeito Paulo Garcia (PT) a utiliza para efeito contrário. A burocracia, nas mãos de Paulo, serve para justificar a letargia na aplicação, por exemplo, da lei que regulamenta a aplicação do ITU progressivo.

A administração petista criou um labirinto indecifrável para adoção da medida, que visa acabar com os vazios urbanos e combater a malfadada especulação imobiliária.

Para proteger o setor imobiliário, com quem Paulo já demonstrou ter enorme proximidade, Paulo criou um novelo imenso que inclui Secretaria de Finanças, de Desenvolvimento Sustentável e de Fiscalização. As três jogam a batata quente uma no colo da outra, e ninguém assume responsabilidade nenhuma desde 2008.

Pode ser que Paulo esteja faturando politicamente com isso. Mais até do que se estivesse arrecadando um volume maior de impostos.