Jornal impresso vai acabar por isso: um dia depois, O Popular dá briga Caiado-Garotinho como novidade

Vinte e quatro horas depois do debate em baixíssimo nível, na Câmara Federal, entre os deputados Ronaldo Caiado e Anthony Garotinho (baixíssimo nível muito mais da parte de Caiado que de Garotinho, é preciso registrar por justiça), o jornal O Popular noticia o fato na sua edição desta quarta-feira, como manchete principal de página interna.

O problema é que não há leitor de O Popular que não tenha conhecimento detalhado da briga. Primeiro, a discussão foi transmitida ao vivo pela televisão e pela internet. Depois, todos os sites de notícia postaram o notícias e o vídeo da discussão, os analistas entraram detalhando o que houve e as redes sociais replicaram com intensidade.

Em menos de uma hora, a briga já estava esmiuçada para quem tem acesso à internet. E quem é que não tem?

A crise do jornal impresso não atinge só O Popular. Afeta todos os veículos em papel do mundo, sem alternativas diante do ritmo acelerado da comunicação via internet. Não há o que fazer, a não ser… morrer suavemente.