Desempenho pífio de Wilder no Grupom expõe fragilidade da chapa de Caiado

A pesquisa Grupom divulgada nesta quinta-feira pelo jornal Diário da Manhã mostrou o senador Wilder Morais (DEM) com apenas 4,6% das intenções de voto para o Senado. Ele é só o quinto colocado, tecnicamente empatado com o petista Luis Cesar Bueno, e só 0,5% a mais que a desconhecida Magda Borges, do PCdoB.

O período eleitoral está comprovando na prática o apelido que Wilder vinha carregando; o de “senador sem voto”. Afinal de contas, o empresário milionário herdou o mandato de Demóstenes Torres. Wilder usava sua influência e seu aparato pessoal para seduzir prefeitos e lideranças. Propagava por aí que tinha apoio de 200 prefeitos; ou até mais.

Só que está se mostrando um fracasso imenso. Não decola nas pesquisas e está sendo engolido pela campanha de Marconi Perillo e Lúcia Vânia. O desempenho ruim de Wilder expõe a fragilidade da chapa de Caiado, que hoje carrega a turma nas costas. Wilder tem grana, mas não tem voto. Kajuru a cada dia se mete numa polêmica e tem um comportamento totalmente imprevisível.

E Lincoln Tejota, bem; Tejota é simplesmente Tejota.