Crise na transição é culpa da má condução de Wilder, que não solicitou os dados reclamados por Caiado

Esta semana começou com mais uma crise na transição do governo de Goiás. O governador eleito Ronaldo Caiado (DEM) reclamou que os dados e números repassados pela equipe de José Eliton são “artificiais”. Caiado insiste em manter o nível de tensão lá em cima e não desce do palanque.

Ontem à tarde, a Equipe de Transição do governo estadual concedeu coletiva e esclareceu que todos os pedidos de Caiado, literalmente todos, foram entregues, conforme solicitação. “Estamos respondendo absolutamente tudo, de forma mais transparente possível. Não passamos a eles nada aquém e nada a mais do que foi solicitado”, afirmou o superintendente executivo da Sefaz e coordenador da Equipe de Transição, Afrânio Cotrim Júnior.

São mais de 5 mil páginas de documentos à disposição de Caiado. Se o novo governador não se sente satisfeito com o material a culpa deve ser de Wilder Morais, indicado para comandar todo esse processo. Wilder virou o todo-poderoso nessa transição e ao que parece não está se comunicando bem com o chefe.