Que loucura: médicos cubanos que Mauro Rubem defende mal sabem fazer um curativo

A proposta do Governo Dilma de “importar” médicos de Cuba para trabalhar no interior no Brasil vai colocar em risco a saúde da população que precisa do atendimento público de saúde.

O deputado estadual Mauro Rubem, ligando ao setor sindical de saúde em Goiás, defende a “importação” – provavelmente por razões ideológicas, já que Cuba é uma ditadura comunista dinossáurica e precisa de ajuda.

A medicina cubana é a mais atrasada do mundo, como conseqüência do isolamento técnico da ilha dos irmãos Castro. Lá existem dezenas de faculdades de Medicina, que formam médicos aos magotes – a maioria com qualificação muito inferior ao de uma enfermeira brasileira.

Os que são enviados para o exterior – caso dos 2 a 6 mil que poderão vir para o Brasil – são selecionados entre os piores. Pesa muito mais o preparo ideológico, para defender Cuba e difundir o comunismo, do que as boas condições para exercer a profissão.

Entre eles, contudo, há um ponto em comum: estão todos ávidos para cair fora de Cuba, onde não há salários dignos nem vagas de trabalho para todo mundo. Dos milhares de médicos cubanos que foram mandados para a Venezuela, 7 em cada 10 desertaram para não voltar viver sob o tacão dos Castro.

Não há dúvidas: se o Brasil precisar mesmo importar médicos, até mesmo os do Paraguai são melhores que os cubanos.