Governo de Caiado começa, mas “o mais do mesmo” caiadista não termina nunca

Os quase três meses de transição entre os governos de José Eliton (PSDB) e Ronaldo Caiado (DEM) deixam um marca amarga para o demista, que assume o Palácio das Esmeraldas amanhã: a gestão caiadista começa sem nenhuma novidade relevante, nenhuma medida inovadora ou impactante, nenhum nome relevante entre os 17 titulares do primeiro escalão do “novo” governo.

Foram quase três meses de mais do mesmo, reforçadas no dia que antecede a posse com medidas corriqueiras anunciadas pelo quase secretário da Casa Civil Anderson Máximo: corte de diárias, redução de contratos temporários e comissionados, revisão de contratos, contenção de despesas com combustível. Alheia à realidade Goiás, a legião de forasteiros repetiu medidas em curso no governo atual, apresentadas como novidade.

O tempo começa agora a passar para valer para Caiado. Ou o governador eleito deslancha ou será colocado na galeria de governadores ao lado de Alcides Rodrigues (PP), seu aliado de então e de agora.