Incentivos fiscais: quem terá mais força? Wilder (a favor) ou Schmidt (contra)?

A posse do ex-senador Wilder Morais (DEM) na nova-velha e sempre sem poder Secretaria de Indústria e Comércio, nesta terça-feira (12/2), oficializa uma queda de braço que tem tudo para render rounds violentos, dignos de UFC: o debate em torno dos incentivos fiscais.

O tema divide o governo Ronaldo Caiado (DEM) em dois: de um lado, os defensores dos incentivos, liderados e representados por Wilder, ele próprio um beneficiário do Fomentar/Produzir. De outro, a superassalariada supersecretária forasteira Cristiane Schmidt, uma burocrata de segundo escalão do governo federal que resolveu ficar do lado contrário.

Por ora claríssimo está que Caiado está do lado de sua primeira-ministra, nesta e em muitas outras bandeiras políticas e supostamente econômicas que ela trouxe na bagagem do Rio e mantém em Goiânia à custa do auxílio-hospedagem pago pelo contribuinte.

O mandato de Caiado, no entanto, tem quatro anos, uma eleição municipal no meio (2020) e uma reeleição no final (2022). Até lá muita água vai rolar debaixo dessa ponte.