Tese do professor Altair: quem emite opiniões não deveria ser processado. Nós concordamos

Em post no Twitter, o radialista Altair Tavares assume o seu lado acadêmico (ele se apresenta também como professor de Faculdade de Jornalismo) e proclama uma tese com a qual não há como não concordar.

“Tese: nenhum governante deveria ter o direito de processar cidadãos pelas opiniões que eles manifestem sobre ele”, pontificou Altair – e o blog Goiás24Horas só tem aplausos para essa frase sensata de Altair.

O governador Marconi Perillo, pelas declarações dos seus advogados e dos seus auxiliares, nos últimos dias, é indiscutivelmente um defensor desse ponto de vista. O governador só processa militantes partidários que atiram calúnias, imputando a ele a prática de crimes definidos no Código Penal.

Isso não tem nada a ver com opinião, crítica, comentário ou o que quer seja colocado em nível de civilidade, ainda que em termos duros.

Crítica é crítica. Calúnia é calúnia.

Na verdade, pelas regras do Estado de Direito brasileiro (por regras, entenda-se: leis), a tese de Altair já é uma prática generalizada. Qualquer governante que processar um cidadão por opiniões vai inapelavelmente perder a ação.Já se o caso for de calúnia…

Boa essa do Altair.

E que tal essa tese: todo governante e todo cidadão tem o direito de processar quem lança calúnias contra ele, para defender seu nome, sua família e sua honra.

Felizmente.

 

LEIA MAIS:

Advogado de Marconi explica: a liberdade de expressão não justifica calúnia, injúria ou difamação

Essa é para a Lênia: na sua militância, não há a grandeza das ideias, só a baixeza das calúnias

Marconi não processa jornalistas. Processa, sim, militantes partidários e nunca por críticas, só por calúnias

Fábio, em duas linhas, deixa bem clara a diferença entre calúnia e liberdade de expressão

Leitor que chamou governador de “corrupto” pode nem existir. É justo usar o espaço para caluniar pessoas?