Greve na UEG é mais uma jogada política do PT e PMDB. Governador já autorizou atendimento das reivindicações

No último dia 21, o governador Marconi Perillo fez reunião com o reitor Haroldo Reimer, pró-reitores, diretores de unidades e alunos da UEG para discutir as reivindicações. De imediato, Marconi autorizou as medidas mais urgentes e o restante foi encaminhado para as devidas providências.

Marconi foi o criador da UEG, no governo Alcides Rodrigues se levantou contra o corte nos gastos com a instituição e sempre teve atenção redobrada com a universidade.

O que existe hoje?

Um movimento minoritário dentro da UEG, de caráter político-partidário, para atingir o governador.

Para isso, paralisam algumas unidades da UEG, tumultuam o trânsito em rodovias e fazem protestos com pouquíssimos alunos e professores em frente ao Palácio Pedro Ludovico, em Goiânia.

Veja a nota que o governo divulgou hoje:

Governo de Goiás reafirma compromisso com UEG

O Governo de Goiás tem mantido um diálogo aberto e transparente com a comunidade acadêmica da Universidade Estadual de Goiás (UEG), procurando atender prontamente às reivindicações dos grevistas. Na última terça-feira, dia 21 de maio 2013, o governador Marconi Perillo recebeu o reitor Haroldo Reimer, pró-reitores, diretores de unidades e alunos da UEG para discutir a pauta de reivindicações, ocasião em que as medidas mais urgentes foram autorizadas e encaminhadas para as devidas providências.

No encontro, realizado no Palácio das Esmeraldas, o governador Marconi Perillo deu pronto encaminhamento às seguintes reivindicações:
1 – Assinou o decreto que estabelece novo teto financeiro, possibilitando aumento salarial para docentes e técnicos em contrato temporário;
2 – Autorizou a realização de concurso público para 250 professores e para 500 funcionários para o quadro técnico-administrativos;
3 – Assinou minuta de lei que cria 250 funções gratificadas para docentes efetivos que exercem funções gratificadas na Universidade Estadual de Goiás (UEG);
4 – Assinou a minuta de lei que cria bônus por desempenho para técnicos administrativos efetivos;
5 – Reafirmou o compromisso com a autonomia universitária e o cumprimento do repasse integral de recursos para a UEG estabelecidos na Constituição do Estado;
6 – Determinou o envio, na primeira semana de junho, do Plano de Cargos e Remunerações para a aprovação da Assembleia Legislativa.

Parte das medidas precisa passar pelo crivo da Assembleia Legislativa, mas o governador observou, durante o encontro, que sua base de apoio na Casa está comprometida com os avanços da instituição.

Na reunião, o governador afirmou que a UEG precisa e deve exercer sua autonomia, aplicando os recursos de seu orçamento segundo as necessidades e deliberações da comunidade acadêmica. Afirmou que a instituição tem total autonomia para definir e executar obras como as de restaurantes universitários, instalações e moradias para seus estudantes, bem como a adequação, a reforma e a criação de novas unidades.

Durante a reunião, o governador observou ainda que, no que se refere à construção do Restaurante Universitário na unidade da UEG em Anápolis, as obras estão em fase de licitação. Na última sexta-feira, dia 24 de maio, a Reitoria da UEG afirmou que “a maioria das reivindicações dos grevistas foi atendida pelo governador Marconi Perillo na última terça-feira, quando ele recebeu, no Palácio das Esmeraldas, alunos, professores e servidores da instituição”.

 

LEIA MAIS:

Movimento grevista da UEG é tão ruim, mas tão ruim, que nem Mauro Rubem aderiu

Muito bem: Polícia Rodoviária vai processar baderneiros da UEG por depredação e crime ambiental

Professora da UEG comemora adesão popular à greve. Não tem desconfiômetro

UEG tem mais de 19 mil alunos, mas piquetes não reúnem nem dezenove