Caso Bordoni: ele não foi condenado como jornalista, mas como simples caluniador

A sentença que Luiz Carlos Bordoni recebeu nesta terça-feira, por caluniar o governador Marconi Perillo, não tem nada a ver com o exercício profissional do jornalismo.

Bordoni foi condenado a pagar R$ 200 mil de indenização por causar danos morais a um político, que ele acusou sem provas, de cometer crimes.

Nas audiências judiciais, Bordoni não compareceu nem forneceu qualquer prova do que afirmou.

Óbvio: foi condenado.

No seu Twitter, ele anuncia que vai recorrer. Pode recorrer, sim. Mas provavelmente vai ter a condenação confirmada e o máximo que pode aspirar é uma diminuição da indenização arbitrada na sentença desta terça-feira, caso alegue e prove condições financeiras precárias.

A menos que apresente as provas e testemunhas que não apresentou até agora.

 

LEIA MAIS:

Essa é boa: juiz fixou indenização para Bordoni pagar com base no que ele disse, mas não provou, que recebeu por fora

Juiz Ricardo Lemos confirma que calúnia é crime e não tem nada a ver com liberdade de expressão

Que cacetada: Justiça condena Bordoni a pagar R$ 200 mil por calúnias contra o governador

Advogado de Marconi explica: a liberdade de expressão não justifica calúnia, injúria ou difamação

Marconi não processa jornalistas. Processa, sim, militantes partidários e nunca por críticas, só por calúnias