Greve fracassada dos médicos estaduais foi mancada do presidente do Simego, Leonardo Reis

A “paralisação” de 48 horas dos médicos estaduais, que não paralisou nada, foi uma tremenda mancada do presidente do Sindicato dos Médicos de Goiás, Leonardo Mariano Reis.

Ninguém tem dúvidas de que ele forçou a barra para prestar serviço ao PMDB e ao PT. No passado recente, Leonardo foi membro da Juventude Peemedebista. E sua família é ligada umbilicalmente ao ex-prefeito Iris Rezende.

A “paralisação” não deu certo. Todos os hospitais estaduais funcionaram normalmente e, dos 170 médicos da Secretaria da Saúde, pelo menos 150 compareceram ao trabalho – conforme registrou o jornal O Popular nesta terça-feira.

Fica a lição:

Ao forçar uma “greve” sem o respaldo da categoria, o presidente do Simego, Leonardo Mariano Reis, sai carimbado como pelego petista e peemedebista.

 

LEIA MAIS:

Imprensa diária valida e avaliza greves e manifestações sem participação real das categorias envolvidas

TV Anhanguera: baixa adesão marca primeiro dia da greve de médicos nos hospitais do Estado

Veja a “assembleia” do Simego: 20 pessoas decidiram em nome de 170 profissionais médicos do Estado

Em janeiro, médicos reclamaram da Prefeitura, mas Simego pouco fez para cobrar de Paulo Garcia

Em alguns Cais da prefeitura faltam luvas, esparadrapo e até um simples Buscopan

Médicos que trabalham em Cais não têm direito a férias e nem a 13º salário

Olha ele aí: Leonardo Reis, presidente do Simego, foi militante da Juventude do PMDB

Simego evita criar caso com Paulo Garcia porque presidente indicou o secretário de Saúde