Dehovan torce os fatos e acha um jeito de pixar o Governo sem assumir. Não funcionou

O publicitário Dehovan Lima, conhecido nas redes sociais pela militância contra o governador Marconi Perillo, escreve artigo nesta quarta-feira na página de opinião de O Popular fingindo que avalia com neutralidade a aparição de Glória Pires e Tony Ramos nos anúncios do Governo de Goiás, ela, e do Grupo JBS-Friboi, ele.

Pura enganação. Dehovan chega inclusive a torcer fatos e a omitir informações para simplesmente enfiar ataques e agressões ao Governo no seu artigo.

Ele diz que os fatos desmentem a campanha ancorada pela atriz global, Glória Pires. Como assim? Ele não explica nem fornece dados. Em seguida, diz que a seção de cartas de O Popular publicou cartas diariamente contra a atriz (o que não é verdade) e garante que um leitor que “criticou” a campanha foi ameaçado de interpelação judicial pelo governador.

Mentira, Dehovan. O leitor Túlio Carvalho, que pode nem existir, abusou da linha editorial de O Popular e publicou uma carta não criticando, mas chamando o governador de “corrupto”. Corretamente, o secretário da Articulação Institucional, Joaquim de Castro, manifestou-se civilizadamente também através de carta e disse que o governador pode, sim, como é direito constitucional seu, fazer uma interpelação judicial para defender o seu nome, a sua honra e a sua família – naquele momento objeto de calúnia na mais importante seção de cartas de Goiás.

O que diria Dehovan Lima de ser chamado de “venal”, sem nenhuma prova, por exemplo, na página de opinião do maior jornal do Estado? Aceitaria calado? Ou se mexeria para defender a sua integridade?

O currículo de Dehovan registra que ele já fez mais de 12 campanhas eleitorais. O cliente é um só: o PMDB.

Precisa dizer mais alguma coisa?