Protestos contra tarifas ganham novas manchetes, mas Paulo Garcia segue calado

O clima de guerra nas ruas do Setor Universitário, em Goiânia, nesta terça-feira, na sequência das manifestações contra o aumento das tarifas de ônibus, não sensibilizou até agora o prefeito Paulo Garcia (PT).

O prefeito não entendeu que a liderança do debate e do encaminhamento sobre os preços das passagens do transporte coletivo é dele e de mais ninguém.

Em São Paulo, Fernando Haddad (colega do PT de Paulo Garcia), assumiu o comando das negociações e a solução encontrada foi absorvida pela população, sem maiores problemas.

Aqui, Paulo Garcia limitou-se a defender o aumento na sua conta do Twitter e ainda foi mais longe: disse também que a questão da redução do preço das tarifas, a partir da desoneração fiscal das empresas, tem de ser “analisada com responsabilidade” – sinal de que não se deve esperar muito dessa revisão.

Ao se omitir de cumprir um papel que é só seu, o prefeito prejudica a população de Goiânia.

 

LEIA MAIS:

Passagem de ônibus aumenta no Rio de Janeiro (R$ 2,95) e ainda é mais barata que em Goiânia

Estudantes enfrentam a polícia nas ruas: cadê Mauro Rubem, Marina, Major Araújo, Daniel Vilela, dona Iris…?

O que o assessor de imprensa de Friboi faz no protesto dos estudantes contra aumento da tarifa?

Em vez de reduzir preço da passagem, CMTC convoca coletiva para bater no Procon. Ah, nem, Paulo Garcia!!!

Manifestantes tentam invadir terminal, jogam pedras e coquetel molotov. Polícia reage com vigor

O pau ia quebrar mesmo: veja o cartaz de convocação do protesto dos estudantes

Essa confusão é sua responsabilidade, Paulo Garcia: estudantes entram em confronto com a polícia e incendeiam ônibus

Em ato de vandalismo, manifestantes colocam fogo em ônibus na Praça da Bíblia. Paulo Garcia, a culpa é sua