Políticos de oposição não apoiaram os estudantes, mas agora fazem média no Twitter

Nenhum deputado ou vereador ou político, mesmo sem mandato, de oposição, compareceu aos protestos realizados por estudantes contra o aumento abusivo da tarifa do transporte coletivo na Grande Goiânia.

O motivo é óbvio: a maioria pertence ao PMDB ou ao PT, partidos que apoiam o prefeito Paulo Garcia e o seu antecessor na Prefeitura, Iris Rezende. O assunto transporte coletivo tem a ver com eles.

Transporte coletivo é assunto municipal. Daí, os oposicionistas sumiram das manifestações contra o aumento.

Mas agora, depois de realizado o maior protesto, nesta terça-feira, que degenerou em confronto entre estudantes e a tropa policial, aparecem os tradicionais fazedores de média.

O deputado Karlos Cabral, que estava em Goiânia e não foi apoiar os estudantes, aproveitou o conforto e a segurança da sua conta no Twitter para criticar a ação das forças policiais – que ninguém está criticando, dado ao fato inconteste de que os policiais trabalharam bem em defesa da ordem e do patrimônio públicos.

Em vez de fazer média o deputado Karlos Cabral é explicar por quê não foi aos protestos para apoiar os estudantes.?

Veja os post do agora enfibrado parlamentar:

 

Karlos Cabral @KarlosCabral

A forma com que avançaram ontem contra os estudantes, comprova que os referenciais do nosso estado são os mesmos da ditadura, desde 64.

 

Trocando o que eu disse em outras palavras: “O modus operandi do estado continua o mesmo desde a ditadura de 64”.