Seção de Cartas do POP vira Seção de Desinformação e Agressão. Nenhum outro grande jornal permite isso

De dois ou três meses para cá, a Seção de Cartas do jornal O Popular, o maior e mais importante do Estado, transformou-se em uma espécie de Seção de Desinformação e Agressão.

Quase todo dia tem cartas, ali, promovendo agressões pesadas – o prefeito Paulo Garcia e o governador Marconi Perillo que o digam – e espalhando informações que ostensivamente não condizem com a realidade.O jornal publica sem nenhuma correção ou observação.

Nenhum outro grande jornal brasileiro pratica essa política editorial: abrir a Seção de Cartas até para que autoridades ou cidadãos sejam acusados, sem nenhuma prova das acusações.

Um exemplo é a carta de um leitor (que nem se sabe se existe mesmo), chamando o Governo do Estado de “corrupto”. Nenhuma prova foi apresentada, mas, mesmo assim, a carta foi publicada. O Governo reagiu – com razão, pois ninguém quer ser chamado de “corrupto” em espaço nobre na imprensa – e mesmo assim na sequência foram publicadas mais três cartas, de outros leitores, afirmando que a reação do Governo era absurda e caracterizava apenas que não aceita críticas.

Jornalistas de O Popular escreveram artigos condenando a reação do Governo “às críticas”.

Críticas? Desde quando chamar alguém de “corrupto”, sem provas, é crítica?

 

LEIA MAIS:

Karla Jaime diz que chamar Governo de “corrupto” é apenas crítica. Em que mundo estamos?

Leitora do Pop diz, de forma agressiva, que governador processa quem critica sua gestão. Não é verdade

Leitor que chamou governador de “corrupto” pode nem existir. É justo usar o espaço para caluniar pessoas?

Seção de cartas de O Popular traz 3 cartas criticando Paulo Garcia e sua “cidade insustentável”

Missivista histórico de O Popular comete gafe horrorosa ao falar do pagamento do 13º