Aluno da UFG critica movimento estudantil por voltar ao “paleolítico” com tática de “pedras, pau e foto”

Em artigo no Jornal Opção online, o aluno André Luiz Ribeiro, da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Goiás, faz uma crítica devastadora aos estudantes que têm promovido manifestações contra o aumento abusivo da tarifa de ônibus em Goiânia.

A começar pelo título, “Pedras, paus e fogo: Movimento Estudantil de volta ao Paleolítico em busca da tática adequada”.

André Luiz registra que o número de manifestantes vem caindo a cada protesto e que, para dar certo, a mobilização não pode abrir mão de conquistar o apoio da sociedade. Só que isso não está acontecendo porque, no mínimo, foi aceita a participação de “manifestantes irresponsáveis, descomprometidos com a defesa da causa, que vão aos protestos munindo paus, pedras e coquetéis molotov, encobrem seus rostos e fazem barbaridades se valendo do anonimato (por vezes, colocando em risco a vida de pessoas inocentes)”.

Leia o artigo na íntegra no site do Jornal Opção online:

http://www.jornalopcao.com.br/posts/ultimas-noticias/pedras-paus-e-fogo-movimento-estudantil-de-volta-ao-paleolitico-em-busca-da-tatica-adequada

 

LEIA MAIS:

Quebradeira e baderna, não, dizem usuários do transporte em Goiânia na TV Anhanguera

Protestos contra tarifas ganham novas manchetes, mas Paulo Garcia segue calado

Passagem de ônibus aumenta no Rio de Janeiro (R$ 2,95) e ainda é mais barata que em Goiânia

Estudantes enfrentam a polícia nas ruas: cadê Mauro Rubem, Marina, Major Araújo, Daniel Vilela, dona Iris…?

Em vez de reduzir preço da passagem, CMTC convoca coletiva para bater no Procon. Ah, nem, Paulo Garcia!!!

Manifestantes tentam invadir terminal, jogam pedras e coquetel molotov. Polícia reage com vigor

O pau ia quebrar mesmo: veja o cartaz de convocação do protesto dos estudantes

Essa confusão é sua responsabilidade, Paulo Garcia: estudantes entram em confronto com a polícia e incendeiam ônibus

Em ato de vandalismo, manifestantes colocam fogo em ônibus na Praça da Bíblia. Paulo Garcia, a culpa é sua