Contrato que cobra do povo tarifa com impostos inexistentes é do tempo de Iris na Prefeitura

A descoberta do jornal O Popular, neste sábado, mostrando que a população paga uma tarifa de ônibus em Goiânia que embute até a CPMF, extinta em 2007, e outros impostos que não existem mais, foi assinado pela CMTC com as empresas na época em que Iris Rezende estava no comando Prefeitura.

Iris é aquele que, na campanha de 2004, prometeu resolver em seis meses a situação do transporte coletivo de Goiânia. Quase 10 anos depois, está aí o resultado desse compromisso.

Mas não é só a inclusão de impostos inexistentes na tarifa.

A matéria de O Popular comprova também que existem muitas outras incongruências. E o Procon já demonstrou, também, que as empresas alegam nas planilhas um custo de 35% de combustíveis, sendo que o Sindicato Nacional do Transporte Coletivo – a que as empresas goianas são filiadas – aponta que esse custo é de 20%.

Mais: no recente aumento da tarifa em São Paulo, as empresas paulistanas abriram as suas planilhas e revelaram que o custo de combustível, na verdade, é menor ainda: apenas 17%.

É caso de polícia.

 

LEIA MAIS:

O Popular prova que planilhas das empresas são fajutas. E agora, Paulo Garcia?

Presidente da CMTC ataca Procon mais uma vez e dispara: “Está mal informado”

Piada do ano: revisão e auditoria nas planilhas das empresas vão durar 2 meses

Planilhas apontam 35% de gasto com combustível, Procon fala em 20%, mas em SP não passa de 17%

JA 2ª Edição informa que aumento da tarifa do ônibus foi “irregular”. Segundo o Procon, planilhas são furadas

Aumento da tarifa de ônibus de Goiânia, de 11,11%, foi superior à inflação do período, de 6,5%

Aumento da tarifa de ônibus em Goiânia foi de 11,11%, mas em São Paulo foi menor: 6,7%