Natal: passagem de ônibus já baixou. Goiânia: empresas seguem faturando enquanto a CMTC “estuda” a redução

A falta de comando da Prefeitura de Goiânia, que (juntando-se à Prefeitura de Aparecida) tem maioria na Câmara Deliberativa do Transporte Coletivo de Goiânia, continua causando prejuízos para a população de Goiânia.

Desde a semana passada que está em vigor a Medida Provisória que desobriga as empresas de ônibus de pagar PIS e Confins. Em Natal, a desoneração foi imediatamente repassada para o preço da tarifa, que baixou R$ 0,10 centavos.

Em Goiânia, a redução da tarifa também deveria ser automática. Mas a enrolação empurrou a decisão para a semana que vem, após estudos técnicos.

“Estudos técnicos”?

Além de piada, isso é um abuso. Para retirar o PIS e o Confins da tarifa, não há necessidade de “estudos técnicos”. Os próprios membros da CDTC, indicados pela Prefeitura de Goiânia, já estimaram que essa redução deve ser de R$ 0,10 centavos, aliás o mesmo valor já cortado em Natal.

Reportagem do Jornal Anhanguera – 2ª Edição mostrou a agilidade da Prefeitura de Natal, que, aliás, tem uma tarifa bem menor que a de Goiânia: R$ 2,30 – já incluída a desoneração fiscal.

 

LEIA MAIS:

MP gasta 10 dias para reagir ao reajuste de ônibus, mas ainda não saiu nada de concreto

Estudante da PUC cria petição online para protestar contra o reajuste da passagem e mobilizar o MP

Desde sexta, empresas de ônibus não precisam pagar PIS e Confins. Mas o preço da passagem não baixa

Novo protesto contra aumento da tarifa de ônibus será na quinta-feira, em frente ao Teatro Goiânia

Paulo finge que não é com ele e continua calado sobre debate do aumento da passagem