Em uma única declaração, prefeito diz que respeita e que não respeita as manifestações populares

Na entrevista coletiva, nesta sexta-feira, em que anunciou uma medida furada para, segundo ele, “aperfeiçoar o transporte coletivo de Goiânia”, o prefeito Paulo Garcia deu uma declaração de impressionante coerência: disse, ao mesmo tempo, que respeita, mas que também não respeita as manifestações populares.

Claro, foi uma alusão aos cinco protestos estudantis contra o aumento abusivo da passagem de ônibus em Goiânia.

Segundo o Jornal Opção online, veja o que Paulo Faria declarou durante a entrevista: “Eu venho de um partido que respeita os movimentos sociais e as manifestações democráticas. Acredito que todas são legítimas desde que sem ordeiras e pacíficas. A implantação não tem nenhuma relação”.

Ou seja: Paulo Garcia respeita, sim, os movimentos sociais, mas não tomou a medida – furada, consistindo da criação de uma espécie de cartão integração que já existe – em razão dos protestos estudantis das últimas semanas.

Respeita, diz. Mas não respeita, diz também.

 

LEIA MAIS:

Deboche: Paulo Garcia anuncia bilhete que já existe como “resposta” para crise do transporte coletivo

Solução de Paulo Garcia para crise do transporte coletivo é “esperta” e só ajuda as empresas

Outra do Jorge Braga sobre Paulo Garcia. Só faltou dizer: o pior cego é o que não quer ver

Estudantes fazem protesto pacífico nas ruas do Centro e culpam Paulo Garcia e CMTC pelo aumento da tarifa

Crise no transporte coletivo da Capital vira assunto nacional em matéria no Jornal Hoje, da Rede Globo

Natal: passagem de ônibus já baixou. Goiânia: empresas seguem faturando enquanto a CMTC “estuda” a redução

MP gasta 10 dias para reagir ao reajuste de ônibus, mas ainda não saiu nada de concreto

Estudante da PUC cria petição online para protestar contra o reajuste da passagem e mobilizar o MP

Desde sexta, empresas de ônibus não precisam pagar PIS e Confins. Mas o preço da passagem não baixa

Novo protesto contra aumento da tarifa de ônibus será na quinta-feira, em frente ao Teatro Goiânia

Paulo finge que não é com ele e continua calado sobre debate do aumento da passagem