Relator da CPI dos Incentivos Fiscais diz que números apresentados pelo presidente do Sifaeg não correspondem à realidade. “É uma mamata”, rebate

O Jornal Opção publica que o relator da CPI dos Incentivos Fiscais, Humberto Aidar,  afirmou que os números apresentados, na segunda-feira, 19, pelo presidente dos sindicatos da Indústria de Fabricação de Etanol e Açúcar do Estado de Goiás (Sifaeg), André Rocha, não condizem com a realidade.

“Nos últimos cinco anos, o setor sucroalcooleiro recebeu R$ 3,7 bilhões de benefícios fiscais, sendo que as dez usinas que produzem álcool anidro receberam R$ 1,3 bi. O Fomentar e Produzir mais R$ 2,3 bi e mais R$ 59 milhões para indústria. Eles tiveram um faturamento de R$ 43 bilhões e recolheram para os cofres do Estado R$ 302 milhões, o que não dá 0,8%”, explanou Aidar ao jornal.

Sobre a justificativa de André, de que, ao recolher, esses valores são pagos a Petrobras, que por sua vez recolhe o ICMS ao Estado, Humberto disse que outra conta foi feita e o valor não chegou a 6%. “Ou seja, é uma verdadeira farra, uma mamata. Por isso estão mobilizados contra a Lei que eu apresentei, que revoga esta Lei que concede esse tipo de benefício para quem não recolhe o ICMS [quem recolhe é a Petrobras]”, disse ao afirmar que a lei que dá o benefício poderá ser derrubada.