Júlio Meirelles aponta incoerência da gestão de Lúcio Flávio e diz que anuidade da OAB-GO está entre as três mais caras do país

Em texto publicado nas redes sociais, o advogado Júlio Meirelles aponta incoerência da gestão de Lúcio Flávio e diz que anuidade da OAB-GO está entre as três mais caras entre todas as seccionais do país.

Meirelles disse que a atual gestão da OAB-GO sempre teve como bandeira eleitoral a crítica ao que chamava de “alto custo” da anuidade para o exercício da profissão de advogado.

O advogado afirma que a gestão de Lúcio Flávio por demagogia somente não reajusta a anuidade em ano eleitoral, como ocorreu em 2018 e ocorrerá, possivelmente, em 2021. 

Leia na íntegra o texto de Júlio Meirelles:

“Uma gestão tomada pela incoerência

Não basta estarmos entre as três anuidades mais caras do país. É preciso reajustar em 5% (percentual acima da inflação) a mais o valor que já pagamos, que agora em 2020 chega a R$ 1.128!

O que observamos é a total incoerência da atual gestão da OAB-GO, que sempre teve como bandeira eleitoral a crítica ao que chamava de “alto custo” da anuidade para o exercício da profissão. Sempre defendeu a redução do valor, mas nunca cumpriu o que pregava! E, o que é pior, ainda se contradisse com a promessa de campanha aumentando o valor dos boletos pagos pelas Advogadas e Advogados de Goiás.

Estamos diante da completa demagogia de uma gestão, que se vale de promessas inexequíveis para vencer o pleito eleitoral e não cumpre o que promete. *Alerto os colegas para o proselitismo do grupo que se encontra à frente da Ordem, que somente em ano eleitoral não reajusta a anuidade, como o fez em 2018. Provavelmente, em 2021, este grupo também não realizará o reajuste, já que se trata de ano de eleição*.

Vivemos um momento delicado diante das incertezas econômicas do nosso país. Sabemos da dificuldade por que passam as novas Advogadas e os novos Advogados que ingressam no mercado de trabalho e o quanto representa para eles o peso de arcar com o elevado valor da anuidade da Seccional Goiana, mesmo com o desconto concedido aos profissionais em início de carreira, que aliás, é praticado há anos por iniciativa de gestões passadas. Não deveria ser este o “incentivo” para que nossos colegas consigam conquistar seu espaço profissional.

A pergunta que fica é: por que outras seccionais conseguem manter o valor sem reajustes e a OAB-GO não? Seria falta de competência para gerir a Ordem sem a necessidade de aumentar a sobrecarga de contribuição das Advogadas e Advogados? Deixo a reflexão a vocês.

Julio Meirelles”