Henrique e Juliano fazem acordo na Justiça para indenizar família de funcionário que morreu eletrocutado no palco

A dupla Henrique e Juliano vai pagar R$ 300 mil por danos morais à família do funcionário Carlos Barbosa de Souza, que morreu eletrocutado no palco. A indenização foi acordada na Justiça na última terça-feira (11) e ficou decidido que os pais da vítima vão receber, cada um, uma pensão no valor de um salário mínimo enquanto estiverem vivos.

O advogado de Henrique e Juliano, Maurício Vieira de Carvalho, disse que o resultado já era o esperado. “Ficamos satisfeitos com o resultado do processo. A empresa prestou apoio para a família desde o acidente e agora não seria diferente”, afirmou.

A advogada da família da vítima, Paula Ramos Nora de Santis, disse que o valor acertado pelo advogado de Henrique e Juliano não foi o que a família esperava.

“Decidi aceitar para evitar mais desgaste. Os pais da vítima são idosos e tiveram que se deslocar de Tocantins até Goiânia. Estão cansados e sofreram muito com a perda do filho. O valor poderia ter sido mais justo”, comentou a advogada.

Os pais e os nove irmãos da vítima estiveram presentes na audiência de indenização. Henrique e Juliano não estiveram presentes, sendo representados pelo advogado e outros dois funcionários.

Carlos Barbosa de Souza morreu em fevereiro de 2019, em Uberaba, Minas Gerais. Após receber a descarga elétrica, Carlos caiu de uma altura de 6 metros e sofreu uma parada cardíaca.

Ele chegou a receber atendimento dos bombeiros e do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), mas não resistiu.