Dólar sobe pelo 7º dia e bate novo recorde, a R$ 4,475; Bolsa cai 2,59%

O dólar comercial fechou o dia em alta de 0,7%, cotado a R$ 4,475 na venda. Este é o maior valor nominal (sem considerar a inflação) de fechamento desde a criação do Plano Real. 

Foi a sétima alta seguida, mais longa sequência de valorização desde agosto de 2018. Ao longo do dia, o dólar chegou a ultrapassar a marca de R$ 4,50, mas depois desacelerou.

O Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, encerrou o pregão desta quinta-feira (27) em queda de 2,59%, aos 102.983,54 pontos, após despencar 7% na véspera. É a menor pontuação de fechamento desde 9 de outubro.

A Bolsa oscilou durante o dia: abriu em queda, chegou a registrar alta de 0,43% à tarde e voltou a cair nas últimas horas antes do pregão. “O movimento de hoje corrobora que, ao menos no curto prazo, a volatilidade veio para ficar”, afirmou o analista Ilan Arbetman, da Ativa Investimentos.

O valor do dólar divulgado diariamente pela imprensa se refere ao dólar comercial. Para quem vai viajar e precisa comprar moeda em corretoras de câmbio, o valor é bem mais alto.