Bolsonaro diz que cloroquina teria evitado as mais de 100 mil mortes por Covid

Jair Bolsonaro voltou a defender nesta quinta-feira (13) o uso da cloroquina para o tratamento da Covid-19, repetindo que ele é a “prova viva” da eficácia desse medicamento contra a doença. O uso da cloroquina contra a COvid-19, porém, não é recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Segundo ele, os mais de 100 mil óbitos registrados no Brasil poderiam ter sido evitados se as vítimas “tivessem sido tratadas lá atrás com esse medicamento, poderiam essas vidas [sic] terem sido evitadas”.

“Sou a prova viva de que deu certo. Muitos médicos defendem esse tratamento. Sabemos que mais de 100 mil pessoas morreram no Brasil. Caso tivessem sido tratadas lá atrás com esse medicamento, poderiam essas vidas [sic] terem sido evitadas”, disse Bolsonaro durante inauguração do Projeto Belém Porto Futuro, no Pará.

“Destinamos também a este estado maravilhoso aqui [Pará], mesmo sem comprovação científica, mais de 400 mil unidades de cloroquina para o tratamento precoce da população”, completou B

Ainda se referindo à pandemia, ele também defendeu a retomada as atividades econômicas e afirmou que o desemprego causa depressão e pode levar à morte também. Desde o início da crise sanitária no Brasil, Bolsonaro tem insistido nas consequência econômicas da paralisação de atividades, imposta por governadores e prefeitos como meio de frear a disseminação do vírus. O Brasil registra atualmente mais de 3,1 milhões de pessoas infectadas e mais de 104.201 óbitos pela Covid-19.