Rosenwal defende vereador Djalma e diz que a Câmara está cheia de “vendilhões”

Leia artigo do jornalista Ronsewal Ferreira, publicado no Diário da Manhã:

Djalma Araújo e o mergulho no caldeirão do diabo

Rosenwal Ferreira

Calar o vereador Djalma Araújo nunca foi uma tarefa fácil, mesmo sendo o líder do governo na primeira gestão de Paulo Garcia, ele se ergueu contra as diatribes de Luiz Carlos Orro – no escândalo batizado pela mídia de “Mutretama”- e preferiu deixar o cargo a ceder às ameaças da raivosa turba do Partido Comunista.  No final, pela dor de cabeça que se transformou  a reforma do parque Mutirama e pelo desfecho da ópera, provou que tinha razões de sobra para se rebelar.

Atualmente Djalma Araújo mergulha no caldeirão do diabo ao questionar assuntos polêmicos que envolvem as vísceras da cidade. Fiel ao seu estilo de botar a boca no trombone, afirma que existem colegas dispostos a destruir a região norte da cidade com foco apenas no vil metal. Sem entrar em tópicos que ainda carecem de comprovação, ele já tem a seu favor duas equações cabeludas, que demonstram má fé, ausência de escrúpulos e inoperância dos órgãos que defendem o meio ambiente e os interesses da coletividade.

Uma das aberrações são as atividades da antiga indústria Unilever, que continua jorrando seu nauseabundo composto de infamares odores nos céus da capital. O quadrilátero da empresa é uma orgia de erros que se perpetuam. Outro desatino, com distorções que até os críticos de Djalma Araújo, incluindo o presidente Clécio Alves, concordam que precisa ser investigado, são as obras do Shopping Passeio das Águas.

Até as pedras do moribundo rio Meia Ponte sabem que o empreendimento está sendo erguido na marra. Técnicos que entendem do assunto garantem que mananciais de água estão sendo criminosamente assassinados e que a canalização do riacho fere princípios básicos que protegem o meio ambiente.

É fato que Djalma Araújo subiu o tom de suas críticas se indignando acima do que preconiza os bons laços do parlamento. Mas é um assunto que não pode tirar o foco ou desmerecer suas acusações. Quem possui um mínimo de informação sabe que a especulação imobiliária está de olho na região norte. Os tubarões do lucro fácil se lixam com a comunidade.

Sendo assim, é de se aproveitar o fervor das emoções para separar o joio do trigo. A história demonstra que a Câmara Municipal de Goiânia é um celeiro de vendilhões do templo. Tanto que, ao longo do tempo, a cidade foi cedendo espaço a monstrengos que jamais deveriam ser erguidos porque destruíram a qualidade vida dos bairros. Tudo com o aval de órgãos públicos e a aprovação de vereadores com interesses umbilicais. É necessário romper esse ciclo para salvar o que resta.

Rosenwal Ferreira: Jornalista e Publicitário