Internet x mídia impressa: veja mais três grandes jornais que fecharam as portas em 2012

O Jornal da Tarde não foi o único diário brasileiro de grande circulação que fechou as portas no ano passado. Em Campinas (93 km de São Paulo), o Diário do Povo, fundado há 100 anos, também encerrou a sua edição impressa e agora só existe na internet.

O Diário do Povo circulava em Campinas e 23 municípios da região, ininterruptamente desde 1912. Gradativamente, vinha perdendo leitores, até que a direção do jornal anunciou que “encerrava a luta contra a concorrência da internet” e que passaria a existir em forma de site, com acesso livre.

Em Natal, no Rio Grande Norte, a vítima foi o Diário de Natal, com 73 anos de vida. O grupo Diários Associados, responsável pela publicação, suspendeu a circulação em papel e passou a se dedicar à produção de conteúdo para a internet.

Mas há mais exemplos dessa triste de história de competição dos jornais impressos com a internet: com menos tempo de vida, pouco mais de dois anos, o especializado em esportes Marca Brasil também foi descontinuado em 2012. O fim decorreu da queda contínua de circulação, no final com menos de 20 mil exemplares por dia, no eixo Rio-São Paulo. O jornal começou em 2009 como “Campeão”, mas no ano seguinte se associou a um grupo espanhol e, a partir de janeiro de 2011, mudou o nome para Marca Brasil.