“Dário quem?”: vereadores fingem não saber nome de denunciado no caso Mutirama para alegar inocência

Investigados pelo Ministério Público no âmbito da operação Multigrana, que apura suspeitas de desvio de dinheiro do Parque Mutirama, os vereadores Kleybe Morais (PSDC), Anderson Bokão (PSDC) e Jair Diamantino (PSDC) apelam a todos os artifícios para provar que não têm intimidade com os outros denunciados pelo promotor Ramiro Carpenedo Netto. Até erram o nome dos envolvidos para dar veracidade às suas defesas.

Na sessão de segunda-feira da CEI das Contas Públicas, por exemplo, Kleybe errou de propósito o nome do ex-presidente da Agência de Turismo, Dário Paiva, seis vezes. Chamou-o de Dário Campos (que foi secretário de Finanças de Iris na administração passada) e disse que, se “tropeçasse do Dário verdadeiro na rua, não saberia quem ele é”.

Tanto ele quanto Diamantino aproveitaram a presença do ex-presidente da Agetul na CEI para tirar dele a afirmação de que nunca haviam se encontrado antes. Dário, solidário ao teatro dos vereadores, disse que até a sessão de ontem ele não sabia como era a cara de Kleybe e de Diamantino, que são investigados pela suspeita de terem tido benefícios do Mutirama para se elegerem em 2014.

Na sessão plenária desta terça-feira, Bokão utilizou o mesmo expediente e garantiu que nunca, na vida, encontrou Dário Campos e quem nem sabia se era alto, baixo, gordo, magro, ruivo, loiro ou careca.