Caiado troca nome e decreta desimportância de Adib Elias na hierarquia do poder em Goiás

Que a bola do prefeito de Catalão, Adib Elias, líder da dissidência do MDB, anda murcha com o governador Ronaldo Caiado (DEM), isso não é novidade alguma. O que não se sabia é que até o nome dele está sendo trocado por Caiado, numa clara demonstração de irrelevância do emedebista

Adib Elias sonhava em dar as cartas no governo e foi exatamente por isso que não hesitou em rachar o MDB, negar a candidatura própria a governador da legenda e encabeçar um movimento de apoio a Caiado, inclusive alçando à coordenação geral da campanha. Mas, acabou solenemente ignorado pelo demista e levou um humilhante passa-fora na formação do secretariado.

O desprezo com que Caiado trata Adib Elias ficou patente na recusa do quadro indicado por ele para o comando da poderosa Agetop, o engenheiro Luiz Severo, secretário de Transportes da Prefeitura de Catalão. O prefeito catalano ouviu um sonoro não do governador e desde então recolheu-se à sua cidade em ostracismo político.

Na sexta-feira, 18, convidado pelo presidente do Tribunal de Justiça, Gilberto Marques Filho, para inaugurar a ampliação da sede do Judiciário em Catalão, Caiado cruzou com Adib na cidade e mais uma vez deu mostras de baixa consideração ao emedebista com direito a um registro emblemático nas redes sociais.

No post sobre a ida a Catalão, quando também recebeu o título de cidadão catalano, Caiado chamou o prefeito emedebista de “Edib” Elias. Isso mesmo: Edib Elias. Como político experimentado, raposa velha nos meandros da política, o governador goiano sabe muito bem que poderia trocar o nome de qualquer aliado em Goiás – sim, de qualquer aliado, menos o de Adib Elias, cujo papel foi decisivo na campanha eleitoral do demista.

O erro é imperdoável e serve para azedar ainda mais a relação de Caiado com Adib. Diz o ditado que se pode matar um homem, mas jamais trocar o seu nome. Ao chamar Adib de Edib Elias, Caiado definitivamente decretou a desimportância do prefeito de Catalão, que, se não era, agora tornou-se oficialmente um apoiador de segunda classe do caiadismo em Goiás.

Mais tarde, a equipe corrigiu o erro.