Bloqueio de contas do governo(10): promotora diz que atraso de salário viola a Constituição, despreza o trabalho e desrespeita decisões judiciais”

A promotora de Justiça Carmem Lúcia Santana de Freitas diz que “o atraso ou parcelamento dos salários do funcionalismo público estadual viola a lei e a Constituição, despreza o trabalho como valor em si mesmo e configura desrespeito às decisões judiciais já proferidas”.

Veja o pedido