Itumbiara: estudante reclama do Colégio da Polícia Militar Dionaria Rocha

Veja reclamação de estudante de Itumbiara:

“Sou aluno do Colégio da Polícia Militar Unidade Dionaria Rocha (Itumbiara).
Venho por meio deste demonstrar nossa indignação (minha e de meus colegas) com o colégio. Professores atuando em áreas fora de sua formação, estagiários cursando biologia sendo professor regente de Espanhol. Todas as reuniões feitas na escola o assunto é sempre o mesmo, contribuição. Só se fala em dinheiro. Os alunos não são submetidos a estratégias pedagógicas.  Comparando o colégio há dois, três anos atrás, os alunos faziam olimpíadas com frequência, o colégio sobressaía nas avaliações externas, havia disciplina de acordo com o que é cobrado na agenda, as salas de aula todas eram climatizadas. Agora, vira e mexe, os alunos são submetidos a aulas no pátio da escola porquê o ar condicionado não está funcionando, e isso não acontece com apenas uma turma ou outras. Alunos perdendo aulas porque a fechadura da porta está estragada.  Os alunos ficaram de fora da sala e ninguém, se não um dos alunos, tomou providência. Saíram para o recreio e fecharam a porta e,no retorno, ela não abria; estava se aproximando o 6º horário e do jeito que estava iriam embora sem os materiais. Então, os alunos ficaram tentando durante quase todo o 5º horário.
O maior evento chamado Encantando, que envolvia dança e canto, que no ano de 2017 recebeu público com 1 mil 400 pessoas, foi adiado em 2018 faltando duas semanas para acontecer com promessa que aconteceria em março de 2019. Já estamos no dia 15 e até hoje nenhum ensaio foi feito.  Não se tocou nesse assunto, e alunos muitos alunos pagaram parte do figurino e ainda não foram ressarcidos, já que a promessa seria que o evento aconteceria esse mês.
O projeto do desporto foi por água abaixo, assim que dispensaram o coordenador do projeto. Várias atividades esportivas eram desenvolvidas no colégio por voluntários, todos levados pelo coordenador.  Desde que esse foi dispensado pelo colégio, não se ouve falar em esporte e nem cultura.  O coordenador desenvolvia também o papel de coreógrafo.  Todas as coreografias do colégio que foram levadas por ele a competição ganharam em primeiro lugar.
Outros pais já fizeram reclamações, recorreram ao comando de ensino e nada foi feito. O colégio continua descendo ladeira abaixo no ranking dos Colégios Militares de Goiás.  Em 2017, ocupava o 4º lugar com o coronel Rejano no comando. Após o tenente coronel. Daniel assumir, a última vez que tivemos notícia desceu 10 posições em pouco mais de um ano.
Temos saudade de ouvir missão dada é missão cumprida mas udo o que o colégio tem feito é abortar missão. Me lembro que há muitos anos o colégio desenvolvia um projeto chamado Natal na Praça. Os alunos faziam trabalho artístico com material reciclável incrível. O projeto tomou proporção imensa, até que em 2018 o Natal da Cidade não pôde contar com o trabalho dos alunos desta unidade escolar.
Se a tropa é a cara do comandante,  sabemos do que essa comunidade escolar precisa!”