BOMBA Tradicional aliado detona Caiado e avalia que hoje não vale a pena investir em Goiás

Em reportagem do site Empreender em Goiás, do jornalista Jarbas Rodrigues, tradicional aliado do governador detona o governo Caiado. Na matéria, Antônio Chavaglia, presidente da Comigo, uma das cinco maiores cooperativas do Brasil, afirma que “só vai cumprir os projetos já em andamento e não fará planejamento de novos investimentos até que os governos federal e de Goiás, sinalizem, com maior precisão, os rumos para as economias brasileira e goiana”. A bomba é que ele enfatiza, ainda segundo o site, que “no momento não vale a pena investir em Goiás”. É a primeira vez que um ator de peso na economia goiana dá uma declaração nestes termos.

Ao Empreender Goiás, Chavaglia, um dos 50 fundadores da cooperativa, “manifesta-se apreensivo com o futuro após as últimas medidas adotadas pelos governos federal e do Estado no que dizem respeito a quebra de contratos, com a redução dos incentivos fiscais dos programas Produzir e Fomentar de Goiás, com a fixação da tabela de preços de fretes e com os aumentos dos custos de produção, em média em 30%, enquanto os preços da soja e do milho estão estabilizados, em baixa”.

“Dependendo do que for acordado na reforma tributária e as decisões sobre os incentivos fiscais, deixaremos de construir novas fábricas para industrializar nossos grãos e vamos exportá-los in natura, como fazem as multinacionais”, disse ao site.

Diz ainda a reportagem que “o presidente da Comigo entende que governo de Goiás deveria ir atrás de devedores de impostos e tributos, que estão acomodados à espera de anistias fiscais – que inclusive ele considera injusta – e deixar de penalizar aquelas empresas que estão produzindo, gerando empregos e cumprindo suas obrigações fiscais e trabalhistas”.

Segundo o site, “a Cooperativa dos Produtores Rurais do Sudoeste Goiano (Comigo) é uma das cinco maiores do País no ramo da agropecuária. No ano passado teve faturamento de R$ 4,4 bilhões, cifra que deve se repetir este ano, e conta com 7,5 mil cooperados e quase 4 mil trabalhadores diretos e indiretos. Criada há 44 anos, com sede em Rio Verde e filial em 15 municípios do Estado, prevê investir R$ 350 milhões nos próximos 12 meses em novos armazéns para grãos, fábricas de rações e novas lojas de produtos nos municípios onde atua”.