Sindsaúde diz que RRF de Caiado vai resultar em medidas amargas para o funcionalismo público

O Sindsaúde publica matéria no site da entidade na internet dizendo que o ingresso de Goiás no RRF pode resultar em medidas amargas para o funcionalismo público. De acordo o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), se adotado o Regime, o Estado precisará impor contrapartidas para conter o aumento de gasto durante a vigência do acordo. Parte delas, traria impactos para os servidores públicos impedindo-os de receber aumento salarial, data-base, diárias ou ajuda de custo, licença-prêmio, quinquênio, entre outros.

Além disso, o cumprimento dos planos de carreiras e a realização de concurso púbico estariam comprometidos podendo haver, em último caso, demissão. Para a presidenta do Sindsaúde, Flaviana Alves, a situação é muito preocupante. “O cenário que se configura é aquele em que o servidor será eleito para pagar a conta e isso não pode acontecer. Na verdade, os trabalhadores devem ser ressarcidos pelas nove datas-bases atrasadas, pelo salário defasado, pelo reajuste indevido do Ipasgo”, frisou.

Por outro lado, Flaviana ressalta a importância de o servidor compreender o seu papel na luta por direitos. “Não há outro meio! Para barrar os ataques aos direitos trabalhistas é preciso unidade, pois estamos em uma realidade na qual é preciso maior engajamento para manter e ampliar as nossas conquistas. Felizmente, a classe trabalhadora é organizada e tem potencial para isso”.