OS que venceu licitação do Hugo foi desclassificada do certame e conseguiu reverter o processo

Situação suspeita ocorreu com a participação da OS INTS, de Salvador, no chamamento público para escolher quem vai administrar o Hugo nos próximos 4 anos, com contrato de até R$ 712 milhões. Ela chegou a ser desclassificada do certame por não atender item do edital que exige a presença de membros do poder público compondo o conselho de administração. Posteriormente, na própria comissão, a OS reverter a avaliação e pôde concorrer. Esta lei foi alterado pelo governo durante o processo e beneficiou assim mesmo a INTS.
Com tanto dinheiro em jogo, merece atenção redobrada do Ministério Público.