Já sabia que estava por vir: há 12 dias, Telho disse que CNMP não devia investigar procuradores hackeados

O procurador da República Hélio Telho já sabia há alguns dias que seria investigado pela operação Vaza Jato. Prova disso é que ele escreveu nas redes sociais que os integrantes do Ministério Público alvos de vazamentos não deveriam ser investigados pelo Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). 

“Após as notícias de que até os presidentes da República e da Câmara dos Deputados, ministros do STF e do STJ e a PGR teriam sido alvo dos hackers, será que o CNMP vai insistir em abrir investigação contra os procuradores da República da #Lavajato com base em mensagens hackeadas?”, disse.

Eis o motivo da preocupação: o site The Intercept revelou nesta quarta-feira que Telho comemorou a eleição de senador do Psol, a quem chamou de aliado, e usou o parlamentar (Randolfe Rodrigues, do Pará) para apresentar projetos do seu interesse. Em resumo, um procurador que investiga políticos aliou-se a um político.