Ataque dos manifestantes à grande imprensa deixa jornalistas perplexos e desorientados

A população não está só insatisfeita com os Governos, não quer só resposta para demandas como saúde e educação e não deseja apenas um combate mais efetivo à corrupção.

Pelo que se vê nas manifestações, há também um forte descontentamento com a grande imprensa.

Em Goiás, essa constatação parece ser mais forte ainda, depois que manifestantes atacaram veículos do Grupo Jaime Câmara, da TV Serra Dourada, depredaram o prédio da TV Serra Dourada e hostilizaram o repórter Honório Jacometto, da TV Anhanguera, que fazia a cobertura do protesto desta segunda-feira usando microfone com canopla com os logotipos do GJC e da Rede Globo.

Por que os grandes veículos de comunicação são alvo das manifestações?

Os jornalistas que trabalham no Grupo Jaime Câmara, por exemplo, estão perplexos e não sabem ou não querem responder a essa questão. Aproveitando a deixa da editora-chefe de O Popular, Cileide Alves, pode-se dizer que vivem um “pesadelo”.

O POP já publicou metros e metros de matérias e artigos sobre as manifestações, mas insiste em não se referir ao mal estar da população, evidenciado nos protestos de rua, com os seus “representantes” na grande imprensa – os jornalistas.

Aproveitando também a manchete de O Popular, dias atrás, sobre as manifestações:

“Alguma coisa acontece com a nossa imprensa e com os nossos jornalistas”.