Site Poder Goiás: ataques de Caiado a Marconi não têm apoio nem entre aliados do governador

O jornalista Eduardo Horácio, do site Poder Goiás, escreve que “as críticas de Caiado não ganham força dentro do governo e nem fora dele. Os auxiliares são muito menos eloquentes nos ataques e até evitam comparações com os governos anteriores. Nesse quesito, a quantidade exagerada de auxiliares que Caiado trouxe de outros Estados colabora com essa atitude amena”.
Diz que”na esfera política, o governador Ronaldo Caiado também não encontra parceiros na desconstrução dos governos de Marconi Perillo. Entre deputados, estaduais e federais, os defensores de Marconi são eloquentes e os de Caiado são tímidos. É possível que Caiado sofra mais ataques do que seu antecessor. A forma fria como Caiado trata agora no governo os aliados de primeira hora (Adib Elias, Paulo do Valle, Renato de Castro, José Nelto, entre outros) também contribui decisivamente para isso”.

Para Eduardo Horácio, “há mais motivos pelos quais Caiado luta sozinho para desconstruir os governos de Marconi Perillo. Além da já citada pouca sintonia dos integrantes do primeiro escalão do governo do democrata. Os deputados estão mais ocupados em construir uma relação com o atual governo, o que não tem sido fácil. Se nem uma relação construída eles ainda têm, por que partiriam para agressões ao governo anterior? Não faz sentido”.

Parlamentares federais e estaduais, em sua grande maioria, preferem manter boa relação com o governo e obter cargos e emendas por esse apoio. Ronaldo Caiado, mesmo com longa trajetória no parlamento, apresenta dificuldades em construir uma base sólida. Além disso, é impossível negar que alguns políticos enxergam a possibilidade de um retorno de Marconi Perillo ou de algum aliado dele. Poucos acreditam que o tucano consiga reaver mandato eletivo nos próximos anos mas, em privado, muitos avaliam que um insucesso de Caiado pode reabilitar Marconi antes do esperado. E o chamado marconismo também poderia voltar com outra roupagem e até com outro nome”.