Educação entra em greve porque Caiado não paga piso, progressões, data-base e ainda cortou R$ 500 mi para ensino

A aprovação da PEC que cortou R$ 500 milhões do ensino público em Goiás foi a gota d’água para que o Sindicato dos Trabalhadores da Educação (Sintego) deflagrasse greve. Foi o estopim, mas não o único motivo. Em vídeo, a presidente do Sintego, Bia de Lima, diz que o governo descumpre a lei ao não pagar o piso salarial dos professores, ao não conceder a data-base e ao não conceder progressões na remuneração. “Muitos professores estão esperando as progressões para se aposentar”, diz Bia. Assista.