Bateu desespero: em mais uma trapalhada, diretor da Adial ataca deputado-relator da CPI dos Incentivos Fiscais que está agindo corretamente

Bateu desespero: sem apresentar argumentos para sustentar a defesa dos incentivos fiscais, o diretor-executivo da Adial, Edwal Portilho, o Chequinho, partiu para o ataque descabelado contra o deputado Humberto Adiar, relator da CPI instalada na Assembleia para investigar a política de isenção de impostos. A investida mostra mais uma vez que os empresários perderam a razão e partiram para o confronto com parlamentares. Aidar é um deputado corretíssimo, está fazendo um excelente trabalho na comissão, tem o apoio do presidente da Casa e dos colegas. É experiente e conduz a CPI de forma técnica.
A estratégia de ataque é articulada pelos consultores em comunicação Jarbas Rodrigues e Bruno Rocha Lima, contratados a peso de ouro pela entidade, para coordenar a reação à CPI. A ordem agora é bombardear os deputados integrantes da  comissão, mas o tiro está saindo pela culatra. A cada ataque, consolida-se a percepção que os empresários não tê argumentos para contrapor as informações apresentadas na Assembleia.
Esse quadro ficou ainda mais claro depois dos desastrosos depoimentos de André Rocha (Sifaeg), do próprio Chequinho e de Carlos Luciano(Novo Mundo). Assim como Chequinho ma CPI e agora nas entrevistas, os dois outros empresários foram arrogantes e cheios de empáfia.
A recente entrevista do diretor da Adial é mais uma trapalhada da sequência protagonizada pela turma do Clube do Bilhão.
Com amigos assim, os incentivos fiscais não precisam de inimigos.