Mordomia: deputados de primeiro mandato caem de boca na verba indenizatória e torram mais de R$ 26 mil por mês per capita

O deputado Antônio Gomide (PT) – que foi prefeito de Anápolis –, caiu de boca na verba indenizatória na Assembleia Legislativa entre fevereiro e julho de 2019. Ele gastou em R$ 131.617,03 em mordomias que os trabalhares comuns jamais teriam acesso com os respectivos salários.

O deputado de primeiro mandato Paulo Trabalho (PSL) utilizou o total de R$ 132.574,45 da verba indenizatória em botecos, pizzarias e sanduicherias de Goiânia, enquanto o deputado Amilton Filho (Solidariedade) foi ressarcido em R$ 139.204,60.

Já o evangélico  Rafael Gouveia (DC) apresentou gastos da verba em R$ 128.349,27, conforme Portal da Transparência do Legislativo.

O Regimento Interno da Assembleia estabelece que a verba indenizatória pode ser utilizada em mordomias como passagens, telefonia, serviços postais, alimentação, hospedagem, locação ou fretamento de veículos, combustível, serviços de segurança e até aluguel de aeronaves.

O deputados podem gastar até o limite de R$ 26.351,40 por mês.