A conta chegou: deputados que votaram a favor do corte de verbas para Educação terão de explicar fim da UEG nas suas cidades

Deputados estaduais que venderam a alma para o governador Ronaldo Caiado (DEM) e votaram a favor da proposta que tirou R$ 500 milhões da Educação, na semana passada, em troca de cargos comissionados, terão pela frente a espinhosa missão de explicar o fim de unidades da UEG em seus municípios. É o caso, por exemplo, de Álvaro Guimarães em Itumbiara; de Zé Carapô em Jataí; de Diego Sorgatto e Wilde Cambão em Luziânia; e Dr. Antônio, em Trindade; entre outros.