Chame o ladrão: caso do major acusado de estupro joga no chão credibilidade do comando da área de segurança do governo Caiado

O episódio da prisão do major Cristiano Macena, comandante da Companhia de Patrulhamento Especializado de Rio Verde, sob acusação de sequestro e estupro de duas menores, joga por terra a credibilidade do comando da área de segurança do governo Caiado.

O glamour da propaganda caiadista inspirada no filme Tropa de Elite foi literalmente desmontado diante do non sense: o autor do crime brutal que chocou Goiás era o próprio policial chamado para  prender o criminoso.

O absurdo ocorrido em Rio Verde coloca em xeque e desmoraliza o comandante da PM, Renato Brum, e o secretário de Segurança Pública, Rodney Miranda,  autoridades que se revelaram no mínimo negligentes

Jamais se poderia permitir que um oficial que já tinha afastado pela Justiça Federal por suspeita de tortura e ocultação de cadáver assumisse posição de comando numa cidade importante como Rio Verde.

A farsa do triplo “I” – Inteligência, Integridade e Interoperatividade – que marca a política de segurança do governo Caiado infelizmente veio à tona pelo gesto hediondo de um próprio membro do aparato policial, cuja monstruosidade nos leva a todos, cidadãs e cidadãos goianos, a pensar em chamar o ladrão em vez da polícia.