Doria busca novos investimentos para SP no Fórum Econômico Mundial

O Governador João Doria desembarca neste domingo (19) em Davos, na Suíça, para participar da Fórum Econômico Mundial. Acompanhado pelos Secretários de Estado Julio Serson (Relações Internacionais) e Patricia Ellen (Desenvolvimento Econômico), ele cumprirá extensa agenda internacional até o dia 24.

O evento deve reunir cerca de 3 mil pessoas, entre chefes de Estado, líderes empresariais e integrantes da comunidade acadêmica de todo o mundo.

“Essa será a 50ª edição do Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça. Fui convidado pelo terceiro ano consecutivo. Palestrei em 2018 e 2019 e agora em 2020. Registro, com muita honra, que sou o único representante do Executivo no Brasil que foi convidado três vezes sucessivas. Este é o mais importante encontro de líderes mundiais no âmbito privado e público”, declarou o Governador.

Será a primeira missão internacional do Governo de São Paulo em 2020 com o objetivo de atrair investimentos externos e impulsionar a economia estadual que, em 2019, teve crescimento projetado de 2,6% – o dobro da estimativa para o PIB brasileiro, de acordo com a Fundação Seade.

Na edição do ano passado, em um único encontro, Doria garantiu cerca de R$ 7,5 bilhões de investimentos da Bracell em São Paulo. A gigante asiática do setor de celulose está expandindo a unidade em Lençóis Paulista, na região de Bauru. Durante o pico de implantação, a Bracell deve empregar até 7.500 trabalhadores.

Para o Fórum deste ano, estão previstos cerca de 32 encontros, além da participação do Governador e Secretários em seminários e reuniões para apresentação de projetos e ações do governo.

“Nossa agenda está focada prioritariamente em encontros com CEOs de multinacionais e na apresentação do programa de desestatização do Governo e os polos de desenvolvimento econômico de São Paulo”, afirmou o Secretário Serson.

Atualmente, o Governo de São Paulo tem 21 projetos de concessão e PPPs (Parcerias Público-Privadas) em andamento. A perspectiva é que o pacote gere investimentos da ordem de R$ 40 bilhões aos cofres paulistas. Os objetivos dos 12 polos de desenvolvimento econômico são identificar o aumento da produtividade da indústria, atrair investimentos, impulsionar a inovação e a geração de emprego e renda, reunindo na mesma região geográfica políticas para determinados setores produtivos.