Daniel Vilela não se apequenou depois da eleição de 2018, diz jornal

Em análise sobre a corrida sucessória pelo Palácio das Esmeraldas em 2022, o Jornal Opção diz que  Daniel Vilela não se apequenou depois da eleição de 2018. Veja o texto publicado pelo jornal em referência ao presidente do MDB de Goiás:

“Por ter sido derrotado para governador em 2018, o que se esperava é que Daniel Vilela se apequenasse politicamente. De fato, o presidente do MDB perdeu o apoio do PP — ou parte do partido (porque uma aliança com Vanderlan Cardoso permanece no horizonte, tanto que, na semana passada, o senador indicou uma secretária para a gestão do prefeito de Aparecida de Goiânia, Gustavo Mendanha, do MDB). O ex-deputado federal, longe de se abater, começou uma peregrinação pelo interior — reorganizando a base do partido. Reassentou-a e está conquistando novos aliados — alguns retirados do PSDB, como o prefeito de Valparaíso, Pábio Mossoró. Está cada vez mais próximo do deputado federal Célio Silveira, que, em 2022, tende a trocar o PSDB pelo MDB.

O principal projeto de Daniel Vilela para 2022 é disputar o governo de Goiás pela segunda vez. Mas, embora não discuta o assunto — porque considera que é cedo para estabelecer posições definitivas —, pode, aderindo ao realismo político, adotar um outro projeto, quer dizer: talvez dispute o mandato de senador, abrindo espaço para uma composição com outro político, por exemplo Vanderlan Cardoso.

Em 2022, Daniel Vilela terá apenas 39 anos e, certamente, poderá trocar o projeto de disputar o governo pelo projeto de ser candidato a senador. Não é, insista-se, o que ele quer, do ponto de vista da análise do quadro atual. Mas, digamos que Ronaldo Caiado esteja muito bem em 2022, como enfrentá-lo sem uma ampla aliança política? O caminho mais curto para uma derrota é não articular uma frente sólida e de matiz popular. Pode ser que o jovem político ceda e dispute o Senado? É provável. E é importante que o leitor releia a palavra “provável”.

Se Maguito Vilela for candidato a prefeito de Goiânia, e não a vice de Iris Rezende, Daniel Vilela fica mais forte para o governo? Se Maguito Vilela for candidato, e sobretudo se for eleito, talvez fique mais forte para o Senado. Porque, para o governo, pode cristalizar a imagem de “oligarquia”.

Comenta-se, por vezes, que o chapão invencível para 2022 seria Ronaldo Caiado para governador, Daniel Vilela na vice e Alexandre Baldy para o Senado. Impossível? No momento, sim. Em 2022, não se sabe. Comenta-se também que Daniel Vilela pode disputar o governo com Jânio Darrot, do PSDB, na vice. Rubens Otoni, do PT, também é cotado para vice. Como o futuro nem a Deus pertence, o que se está dizendo é mera especulação.”