Nenhum direito a menos! Professores deliberam acampamento da Educação na Assembleia contra pacote de maldades de Caiado

Em clima de indignação, cerca de 3 mil trabalhadores da Educação lotaram a assembleia geral da rede estadual na tarde desta quarta-feira (11), e deliberaram a montagem de um acampamento em frente à Assembleia Legislativa de Goiás (Alego), a partir da próxima terça-feira (17). O acampamento será por tempo indeterminado, até que as reivindicações dos trabalhadores sejam consideradas.

Outro encaminhamento aprovado foi a presença dos trabalhadores na Alego, no trabalho de sensibilização dos deputados com relação as reformas da Previdência; Administrativa e alteração do Estatuto do Magistério. Os servidores da Educação farão visitas aos gabinetes e se farão presentes nas galerias, a partir de amanhã (12). De acordo com a presidente do Sintego, Bia de Lima, deve-se cobrar dos parlamentares o que nos foi prometido durante o período eleitoral.

“Chegou a hora de buscarmos a classe política. Os políticos entram e saem, e só se lembram do nós na hora da eleição, vamos cobrar o posicionamento de cada um deles a favor da Educação. Estas reformas são cruéis! Faremos quantos enfrentamentos forem necessários! Hoje, todo mundo saiu de casa para dizer para os deputados e para o governo: não mexam nos nossos direitos, não mexam na nossa aposentadoria!”, ressaltou a presidenta do Sintego e da CUT/GO, professora Bia de Lima.

De acordo com Bia de Lima, a participação de todos os servidores é mais importante do que nunca. “Nós estamos conseguindo algo inédito e muito valioso que é a união de todas as categorias de servidores públicos. Não podemos permitir os ataques do Governo Estadual! Não vamos abrir mão dos nossos direitos de forma alguma! Essas reformas não podem ser aprovadas da forma como foram apresentadas e, principalmente, o Estatuto do Magistério não pode ser alterado. Não podem retirar os nossos direitos!”, completou.