Quarentena dos repatriados de Wuhan em Anápolis pode afetar exportação de industrializados e carne de Goiás, diz Mabel

O presidente da Federação das Indústrias do Estado de Goiás (Fieg), Sandro Mabel, divulgou nota nesta sexta-feira (7) condenando a decisão dos governos federal e de Goiás de levar os brasileiros e alguns estrangeiros que estão em Wuhan na China para a “Ala 2” (Base Aérea de Anápolis), para uma quarentena devido à epidemia do novo coronavirus. Para Mabel o governo goiano errou ao aceitar receber os brasileiros repatriados, pois a população não suportaria outro trauma como ocorreu com o acidente com o césio 137.

Na nota Sandro Mabel diz que há outras áreas no Brasil que poderiam receber a base para quarentena. Para o presidente da Fieg, Goiás pode ser prejudicado com a discriminação, impactando no turismo, nos negócios, com queda na produção e comercialização de produtos, como ocorreu em 1987. “É um desastre para o Estado. Podemos sofrer segregação do que é produzido em Goiás, afetando a exportação de industrializados e carne, por exemplo”.