AD

Diante da repercussão negativa, TCE-GO desiste de aumento do auxílio alimentação. Judiciário mantém o reajuste

O Tribunal de Contas do Estado de Goiás (TCE-GO) voltou atrás na decisão que aumentava em 36,8% o valor do auxílio alimentação  para conselheiros, auditores e procuradores. No dia 18 de março, uma portaria tinha sido assinada pelo presidente da Corte, conselheiro Celmar Rech, concedendo o aumento no auxílio. Atualmente, o benefício para membros do TCE-GO, cujos salários variam entre R$ 33,6 mil e R$ 35,4 mil, é de R$ 884.
“O Tribunal de Contas do Estado de Goiás, diante da queda da receita estadual decorrente da pandemia de coronavírus, informa que está reavaliando suas despesas de custeio e pessoal para enfrentar a crise. As medidas serão discutidas com os chefes de Poderes e órgãos autônomos na próxima quinta-feira, 2 de abril, quando a Secretaria da Economia terá condições de informar melhor o impacto já constatado e sua previsão para os próximos meses”, diz nota publicada pelo TCE-GO nesta quinta-feira (26/3).
O Tribunal de Justiça de Goiás não deu sinais de recuo e mantém o aumento do auxílio alimentação.