AD

Caiado foi irresponsável e liberou igrejas apesar de recomendação contrária de especialistas, diz O Popular

O bispo da Assembleia de Deus Madureira de Goiás, Oídes José do Carmo, afirmou durante culto, na manhã deste domingo (26), que a flexibilização do distanciamento social para igrejas foi resultado de pedidos de pastores que se reuniram com o governador Ronaldo Caiado (DEM). Segundo o líder evangélico, houve resistência da equipe técnica do Centro de Operações de Emergência (COE), que monitora o vírus no Estado e é vinculado à Secretaria Estadual de Saúde de Goiás (SES-GO).

Decreto estadual publicado na noite do último domingo (19), autorizou a abertura de igrejas para cultos, desde que seja respeitada uma série de exigências, como a lotação máxima de 30% do templo, a medição da temperatura dos fiéis e a proibição da entrada de idosos. No dia 15 de março o governador havia ligado para líderes religiosos pedindo o fechamento dos templos para evitar a propagação do novo coronavírus (Covid-19). Na mesma semana, um primeiro decreto estadual proibiu a realização de reuniões e eventos religiosos com aglomeração de pessoas.

“Nós conseguimos o retorno dos cultos, além da mão de Deus, foi graças a ação nossa junto ao governo”, declarou o bispo durante o culto. Ele afirmou que estava sempre entrando em contato com o governador, pedindo um voto de confiança nas igrejas. Depois de insistir, Caiado teria concordado e feito uma videoconferência com cerca de cinco pastores, das maiores congregações evangélicas da capital.

Um dia antes de sair o novo decreto, com a flexibilização para igrejas, Caiado teria ligado para Oídes descrevendo as novas regras de funcionamento e teria revelado que sua equipe técnica era contrária à reabertura de tempos. Nas palavras do bispo, o governador teria dito o seguinte: “Eu preciso da sua ajuda bispo Oídes, porque o comitê de crise, a universidade federal, pessoal da secretaria de Saúde e todos que me assessoram aqui estão contra flexibilizar essa norma e liberar os cultos. Estou sozinho nessa guerra. Prometi para os pastores e não estou conseguindo.”

A reportagem entrou em contato com a assessoria do governador Ronaldo Caiado e não teve retorno até esta noite.

Seguidor das normas

Ainda durante o culto da manhã deste domingo, o bispo Oídes do Carmo defendeu as medidas de distanciamento social para conter a disseminação do novo coronavírus. No dia 15 de março, ele foi um dos primeiros líderes evangélicos a declarar que seguiria as orientações das autoridades de Saúde, antes mesmo do decreto estadual.

Oídes elogiou o governador e as autoridades estaduais por terem feito o distanciamento de forma antecipada. Ele defendeu que os números de casos e mortes de Goiás estão baixos por causa disso, diferente de outros países, que não seguiram essas recomendações. “Não posso concluir ‘não é tão grave assim’. Tenho que concluir que Deus está guardando seu povo, que Deus está ouvindo nossas orações, que nós estamos zelando, fazendo nossa parte e Deus está zelando do seu povo”, avaliou o bispo. (O Popular)